Precisamos falar sobre Rocky Horror e transfobia

Apesar de questionar gênero e sexualidade, Rocky Horror Picture Show é transfóbico

…e me dói admitir isso, já que o musical sempre foi um dos meus favoritos.

Faz anos que eu ganhei do meu pai uma edição de 1001 filmes para ver antes de morrer e simplesmente devorei. Além dos clássicos, descobri vários filmes que se tornariam importantes para mim. Entre eles Felizes juntos Rocky Horror Picture Show. Eu me lembro de ver uma única foto junto com o resumo do livro e pensar que eu tinha que assistir aquilo! Era um musical de terror de rock, o que mais eu podia querer?

Isso foi bem antes de Rocky Horror ser mencionado em Glee e As vantagens de ser invisível. Eu não sabia o que esperar. Talvez uma mistura de Tim Burton com Bob Fosse, mas nada comparado a… bem, a Rocky Horror. Na hora que eu finalmente assisti, o filme me pareceu tão revolucionário, questionador, deslumbrante, sensual, cheio de glitter! Mesmo na tela do computador foi uma experiência e tanto. Eu me apaixonei pelo musical, li tudo o que podia a respeito, coloquei meus amigos pra assistir (por livre e espontânea pressão), aprendi a cantar as músicas. Quando fiquei sabendo que seria feito um remake, lá em 2015, essa empolgação voltou com tudo. Eu mal podia esperar para ler as notícias sobre a nova versão.

Foi aí que eu aprendi que Rocky Horror Picture Show é transfóbico. Admito que nunca tinha pensado a respeito até ver pessoas falando sobre isso na internet. Rocky Horror me surpreendeu tanto por questionar gênero e sexualidade de forma tão descarada, que eu não me dei conta de como ele denigre, satiriza e agride as mulheres transexuais. Vou citar uma moça que postou vários comentários sobre o assunto (em inglês), e resume bem o problema:

Frank é praticamente todos os estereótipos horríveis sobre as mulheres trans enfiados dentro de um único pacote monstruoso. Uma caricatura ambulante e, literalmente, nem mesmo um ser humano.

A icônica música Sweet Transvestite descreve Frank como travesti – uma palavra que quando o filme foi lançado, em 1975, também era usada por mulheres transexuais para descrever sua identidade. Hoje, algumas já consideram o termo ofensivo, pois ele costuma ser entendido como “homem que se veste de mulher”. Na versão original, Frank-N-Furter é interpretado por um homem (Tim Curry) e representado como um ser hipersexualizado, manipulador, pervertido, cruel e desequilibrado, que protagoniza um assassinato bárbaro (Eddie é morto a machadadas depois de ser mantido preso no refrigerador, gente).

É um alívio saber que o remake de 2016 tenta consertar isso, pelo menos em partes. A principal mudança foi escalar uma atriz transexual, Laverne Cox (a Sofia de Orange is the new black), para dar vida à Dra. Frank-N-Furter. O papel tinha sido oferecido primeiro ao cantor Adam Lambert, que recusou por não achar adequado – com razão – uma pessoa cisgênero (não-transgênero) interpretar Frank. No fim, Lambert acabou fazendo o papel de Eddie e Laverne está apenas… sensacional!

Laverne Cox Rocky Horror Picture Show

Laverne Cox como Frank em Rocky Horror (Fox)

Laverne rouba a cena toda vez que aparece. Ela é linda, tem uma bela voz e os figurinos são de tirar o fôlego. Nesse vídeo dos bastidores, o figurinista William Ivey Long chama atenção para o fato de Frank ser uma mulher e as roupas terem sido desenhadas com isso em mente. Já nessa entrevista ele cita Grace Jones, Tina Turner, Joan Crawford e até Beyoncé como referências. É legal ver o carinho que a produção do filme tem pela personagem. Laverne Cox está bem à vontade no papel e sabe dominar o palco como ninguém – mas será que isso basta para redimir o musical da sua transfobia?

Eu não posso responder essa pergunta. Não é meu lugar de fala, porque eu não sou uma mulher trans. O que eu posso, e estou tentando fazer com esse texto, é dar visibilidade ao assunto, apontar os aspectos que tornam Rocky Horror um filme tão problemático e cheio de preconceitos. Mesmo que ele seja um dos meus favoritos. Ou melhor: especialmente porque ele é um dos meus favoritos.

Embora Frank esteja sendo interpretada por uma mulher na versão de 2016, Sweet Transvestite continua lá, comparando mulheres trans a “homens que se vestem de mulher”. A própria gal-horror-show-2-jpgFrank continua sendo uma caricatura. Ela mata Eddie a sangue frio e mantém Rocky preso como um escravo sexual, além de assediar e coagir outros personagens a fazerem sexo com ela. Tanto a cena com Brad quanto a cena com Janet começa com Frank enganando os dois, fazendo se passar por outra pessoa para conseguir ir pra cama com eles. É importante lembrar que isso são esteriótipos negativos que a sociedade mantém até hoje sobre as mulheres trans. Da mesma forma que a cena em que Frank persegue Janet, durante Wise up Janet Weiss, alimenta a ideia equivocada de que mulheres trans são violentas e oferecem risco às mulheres cis. Cada vez que você chama uma mulher de “armadilha” ou faz piada sobre um homem ter sido “enganado” para se relacionar com ela, você está perpetuando esses mesmos estereótipos que Rocky Horror explora à exaustão. Não é uma piada, não é só um filme: é uma agressão. É transfobia. E transfobia mata.

O escritor do musical, Richard O’Brien (que interpreta Riff Raff na versão original), também não se identifica como cisgênero. Algumas pessoas alegam que por isso ele (e consequentemente um filme que ele escreveu) não pode ser transfóbico, mas isso não é verdade. O’Brien se considera tanto homem quanto mulher, como disse à BBC. Apesar de respeitar sua identidade, preciso dizer que transfobia internalizada existe, e o fato de ser transgênero não isenta Richard do preconceito contra mulheres trans, nem o torna um porta-voz desse grupo. Ainda mais quando ele disse, em um momento lamentável, que não as considera mulheres “de verdade”.

Claro que Rocky Horror foi escrito há mais de 40 anos, em um contexto social diferente, por alguém que questionava a própria identidade de gênero. Estou levando isso em conta. Acontece que o musical foi relançado agora, e nós precisamos analisá-lo sob a ótica das informações que temos hoje. Por isso eu questiono, o filme de 2016 tenta desfazer a imagem de Frank como predador sexual?

Na minha opinião, sim. Além da escolha de Laverne Cox, a gente percebe outras mudanças sutis no tom da narrativa. Brad e Janet também são retratados de forma caricata, até mais que a Dra. Frank. São escolhas de interpretação. O jeito que Brad (Ryan McCartan) olha para Frank desde que ela aparece em sua primeira música dá a entender que ele já estava interessado nela. Quando tenta escapar das investidas da doutora, no quarto, suas expressões são tão exageradas que beiram o ridículo. Parece que ele e Janet (Victoria Justice) apenas não querem, ou tem vergonha, de admitir que se sentem atraídos por Frank. Tudo isso está presente na versão de 1975, mas aqui é exagerado mesmo, e pra mim vai além de uma mera tentativa de deixar o musical mais kitsch. É para fazer que o público não veja as cenas como agressão sexual. Só que isso é arriscado. O consentimento de Brad e Janet (sem falar no de Rocky, ou mesmo Eddie) é no mínimo dúbio. As atitudes de Frank não deixam de ser abuso, e algumas pessoas continuarão se sentido ofendidas pela personagem.

Será que eu posso dizer que essas pessoas estão erradas? De forma alguma. Não dá para ignorar quando mulheres trans apontam transfobia e dizem o quanto o filme faz mal a elas. Como eu falei no início, cheguei a acompanhar várias discussões a respeito. Lembro de ver uma moça dizendo que quando ela assistiu o filme, anos atrás, tudo o que ela pensou foi “eu não posso tentar ser uma mulher, vão achar que eu sou assim”. Eu imagino como ela deve ter se sentido assustada e agredida pela personagem, por mais que na mesma época eu tenha visto Frank apenas como uma pessoa segura, fabulosa. Quem sou pra dizer que a dor e a indignação dela não são válidas, quando é ela, não eu, quem sofre com esse preconceito?

É claro que Rocky Horror Picture Show (2016) tem seus méritos, feito a diversidade do elenco. Temos uma mulher negra no papel da Dra. Frank, a atriz cubano-americana Christina Milian interpretando Magenta e Ben Vereen como o Dr. Scott.  Isso se estende aos músicos e dançarinos (embora eu tenha que dizer: por que é todo mundo magro-dentro-do-padrão?? O filme original apresentava uma diversidade de corpos que falta aí). E a releitura do figurino é maravilhosa. Reconheço que o musical foi, e ainda é, um grande “foda-se” para os padrões de gênero. Só não posso negar que ele também é, apesar de tudo, transfóbico.

Rocky-Horror-Picture-Show-press-photo-2016-cast-cr-Miranda-Penn-Turin-billboard-1548

Elenco principal de Rocky Horror Picture Show 2016 (Fox)

Não estou dizendo que você esteja errado por gostar (como eu ainda gosto) de Rocky Horror Picture Show. O que eu estou dizendo é: a gente precisa se colocar no colocar do outro e entender que um filme que representa liberdade para você, pode ser nocivo para outras pessoas. É necessário reconhecer isso, reconhecer a transfobia enraizada em produções que celebram a diversidade, como Rocky Horror. Criticar, problematizar, é fundamental. E, daqui para a frente, produzir e apoiar obras que questionem sim conceitos de gênero e sexualidade, mas sem precisar atacar as mulheres transexuais para fazer isso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s